Repleto estava o salão
Procurava apenas alguém
Que me embalasse nesta valsa
Realizando um sonho meu!

Procurava em vão e não a achava
Pares dispersos passavam por mim.
Onde estaria a minha amada
Por quem tanto ansiava?

Escondida como rosa- buquê
Debulhava seus botões escondida.
Sorri-lhe com um aceno de mão

Impossível permanecer mais assim
Meu corpo fremia numa ânsia incontida
Num gesto impensado tirei-a pra dançar

Olhei seus olhos meigos e contemplativos
Indagava-me suposições no Salão
Meus olhos só diziam que a amava
E o muito que já contemplava

Amamo-nos instintivamente
Beijamo-nos como um casal
Deixamos crescer o fanal!

Eda Carneiro da Rocha
"Poeta Amor"


 

Menu ::: Voltar ::: Envie essa Página

 

 

::: CrysJuanGráficos&Design :::